3,1 milhões de unidades é a diferença que separa o mais vendido, os chamados feature phones (aparelhos convencionais) dos smartphones, no Brasil. Os números vêm da IDC: são  26,4 milhões de unidades contra 23,3 milhões de unidades de smartphones no primeiro trimestre deste ano.

No terceiro trimestre do ano, entretanto, a venda de smartphones tem crescido, acrescentando dois dígitos aos números, enquanto que a venda dos feature phones tem caído.

Importante lembrar que  a IDC  se baseia nos números dos fabricantes para o varejo e operadoras ao invés de falar dos números divulgados pelas vias dos consumidores finais.  O que traz uma boa diferença entre os números divulgados pela IDC e pela ANATEL: 49 milhões e 700 mil  celulares chegaram ao mercado nos primeiros meses do ano. Segundo a Telecom, somente 11 milhões de novas linhas foram ativadas no país este ano. Uma quantidade razoável entre aparelhos vendidos e outro valor em estoques.

Leonardo Munin, analista de mercado da IDCBrasil, declarou ao site do IDC: “O que favorece a venda de smartphones é a  redução no valor do ticket médio para os dispositivos, os grandes fabricantes que atuam no Brasil já voltam quase todo o seu portfólio para este tipo de aparelho”. 

A Motorola aposta que até 60% do total de aparelhos vendidos no final deste ano sejam smartphones.

Outros ingredientes que aquecem as vendas deste tipo de aparelho são as novas marcas lançadas. Com as novidades de modelos e preços menores, como aparelhos com o sistema Firefox OS somando forças como o miolo Intel rodando o Android e Windows Phone. 

“Esta situação permitirá que a nova classe C brasileira entre de vez neste mercado o que poderá impulsionar mais as vendas dos celulares inteligentes”, diz Leonardo Munin.

Por Divarrah

Vendas de smartphones

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: