Aprenda a comprar pela internet sem correr riscos e com segurança.

Muitas pessoas preferem fazer compras pela a internet. São tantos sites e de diversos segmentos que fica difícil não realizar suas compras no conforto do seu lar e usando um computador. Mas, infelizmente, existem alguns riscos ao realizar as compras pela internet, e por isso o ideal é ficar ligado nas principais dicas para não cair em nenhum golpe.

Vamos conhecer as principais formas de segurança quando for comprar pela internet:

Escolha sites de confiança

Quando for realizar alguma compra na internet, prefira sites que já são conhecidos. Existem muitos sites com ótimos preços como o site das Lojas Americanas, Extra, Ponto Frio e muito mais.

Tome cuidado com promoções mirabolantes

Não caia em promoções mirabolantes de sites que nunca viu na sua vida. Muitas pessoas caem nesse tipo de golpe diariamente. A tentação é grande, porém, nunca acredite que um produto que normalmente é vendido por R$150,00 vai custar R$20,00 em outro site sem nenhum motivo aparente.

Procure ver todas as opções de contatos do site onde vai realizar sua compra

Muitos sites fraudulentos colocam informações de contato que não funcionam. Procure por sites que tenham diversas formas de contato como mais de 1 telefone, e-mail, chat online e até mesmo WhatsApp. É viável também testar algumas dessas opções de contato antes de realizar a sua compra e ver se realmente o atendimento está de acordo.

Veja se o site onde será realizada a compra tem CNPJ

O CNPJ é o registro da empresa ou site onde você vai realizar sua compra. Por isso é muito importante avaliar se esse CNPJ é verdadeiro e há quanto tempo ele está registrado. Se colocar o CNPJ no Google pode aparecer informações importantes sobre o mesmo, até mesmo informações negativas. Então vale a pena pesquisar.

Verifique se o site tem opções de pagamento seguro

Outra forma para evitar problemas ao realizar uma compra na internet, é verificar se o site tem opções de pagamento seguro como o Mercado Pago e o PagSeguro. Essas opções de pagamento são para dar total segurança para quem está comprando e em caso de algum problema a devolução do dinheiro é certa. Então escolha sites que tenham esse tipo de opção de pagamento.

Compre somente em site que tenha a segurança eletrônica

É bom sempre ficar atento se o site onde você vai realizar a compra possui a segurança eletrônica. O ideal é que o endereço dele comece com a sigla “http” e que também mostre no navegador o ícone em forma de cadeado. A última dica é clicar com o botão direito do mouse em cima do ícone de cadeado e ver se aparece o certificado de segurança do site.

Cuidado com os sites cópias

Existem muitos criminosos que montam sites parecidos com sites já conhecidos e seguros na internet. Normalmente o visual do site é quase igual ao site original, porém, sempre tem alguns detalhes que mostram que tem algo de errado.

Veja abaixo os três itens que você deve olhar com muito cuidado:

Nome do site

Normalmente o nome do site falso é bem parecido com o site original, só que sempre tem algum erro como nesse exemplo: (site verdadeiro) www.casasbahia.com.br, (site falso) www.casasbaia.com.br. Vale lembrar que isso é apenas um exemplo.

Valores de produtos com preços muito baixos

Fique atento quando os produtos de um site tiverem preços muito abaixo do normal. A não ser que seja uma promoção geral como o Black Friday. Fora isso desconfie e evite comprar nesse site, pois as chances de ter uma grande dor de cabeça são muita altas.

Fique de olho nas informações de entrega e frete

Normalmente os sites confiáveis sempre mostram todas as informações de entrega e de frete. Se for cobrada alguma taxa de frete pelo site, ela vai ficar bem aparente e com cor chamativa. Os sites fraudulentos normalmente cobram valores extras depois que é fechado o boleto ou não mostram as informações claramente. É bom ficar atento.

Siga essas dicas e faça suas compras pela internet de forma segura.

Por Cristiane Amaral

Comprar pela internet


Empresa trabalha para melhorar a segurança do smartphone após FBI pedir para que a Apple mostre como \”hackear\” o seu dispositivo.

Chamou muito a atenção nas últimas semanas a notícia de que o FBI quer que a Apple mostre como ''hackear'' o seu dispositivo, para contribuir com a investigação de um caso nos Estados Unidos. A repercussão foi tanta que até mesmo outras grandes empresas se manifestaram, em sua maioria, apoiando a decisão da Apple em resistir quanto a quebrar a segurança do dispositivo, o que pode representar um risco imenso. Agora, a empresa está trabalhando para melhorar ainda mais a segurança de seu iPhone.

Grande parte dos usuários apoiou a empresa no caso, bem como outras grandes marcas, pelo fato de que a quebra nessa segurança do dispositivo poderia causar um dano enorme futuramente, já que poderia facilitar o trabalho de hackers e crackers no aparelho, gerando inclusive preocupação entre os usuários do iPhone.

O que acontece é que o FBI se utiliza de uma brecha na segurança do dispositivo da maçã para poder conseguir uma atualização para desbloquear o iPhone 5c, graças a um caso envolvendo um casal nos EUA, que terminou com a morte de 14 pessoas em Dezembro do ano passado. O iPhone permite que o usuário possa fazer atualizações sem terem a necessidade de desbloquear seu dispositivo, sendo essa uma brecha para a assistência técnica e também agora para o FBI.

Para resolver o problema, o jornal New York Times afirmou que a empresa estadunidense vem trabalhando para resolver a brecha para acabar não perdendo a queda de braço para o FBI, o que forçaria a empresa a quebrar a segurança do iPhone. Isso, segundo o jornal, é anterior ao processo do FBI contra a empresa. A Apple vem trabalhando com outras empresas especializadas em segurança, inclusive uma delas, por meio de Jonathan Zdziarski, afirmou que já teria enviado mais de 50 ideias para que a empresa possa resolver o problema.

A mudança deve ocorrer, independentemente do resultado do caso envolvendo o FBI, mesmo que a Apple acabe por vencer a disputa, a empresa está determinada a solucionar o problema para aumentar a segurança de seus usuários. A brecha no software da empresa pode ser considerada uma grande falha, que agora está prestes a ser resolvida.

Por Isis Genari.


Problema faz com que contas compartilhadas \”vazem\” informações para os outros usuários.

Recentemente o Instagram recebeu uma atualização que traz ao aplicativo, após anos de pedidos por parte dos usuários, a opção de alternar mais facilmente entre uma conta e outra, o que já era possível em outras redes sociais mas não no Instagram, o que já havia gerado muitas reclamações por parte dos usuários. Agora, pouco tempo após a novidade ter sido disponibilizada ao público, a função parece ter gerado um pequeno problema na rede social das fotos.

O erro acontece quando um grupo de usuários decide dividir uma conta, como a conta de um fã clube, de um site, de uma empresa, etc. O aplicativo acaba por simplesmente ''vazar'' a mensagem de um usuário para todos os demais que possuem acesso a conta. Além disso, é possível visualizar até mesmo notificações de um determinado usuário com o erro na popular rede social.

Em outras palavras, o erro do Instagram age como se sua conta pessoal também fosse compartilhada com os demais usuários que não deveriam receber nenhum tipo de notificação ou mensagem privada, acabando por expor a privacidade dos usuários. O erro acaba por divulgar mensagens e notificações entre os usuários que compartilham uma conta, sendo que um único usuário acaba por receber as notificações de um e outro as mensagens do mesmo usuário.

Porém, muitos usuários relatam que após 24h, o erro simplesmente sumiu e nem todos que contam com contas compartilhadas com outros usuários estão relatando o erro no aplicativo, ao menos até o momento.

O Instagram ainda não se pronunciou sobre o problema de privacidade, mas é provável que em breve a empresa se pronuncie e acabe por lançar rapidamente uma nova atualização para não expor os usuários na rede social com o gerenciamento de contas.

O erro foi relatado pelo site Android Central, que comprovou o problema no aplicativo. Certamente o problema deve gerar incômodo entre os usuários, principalmente pela possibilidade de um amigo ou até mesmo alguém desconhecido que compartilha a conta dentro de um grupo, acabe recebendo suas mensagens e notificações, mas em breve, o problema deve ser solucionado pela empresa, através de uma simples atualização para os usuários.

Por Isis Genari.


Uma das maiores preocupações dos pais atualmente é em relação à liberdade e ao conteúdo em que seus filhos são expostos enquanto navegam pela internet. Com o avanço da tecnologia, os computadores e o acesso à rede mundial de informação tem se tornado cada vez mais portáteis.

Atualmente, os smartphones oferecem funções que vão muito além da simples conversação. Navegação na internet, videochamadas, conversas instantâneas, geolocalização e compartilhamento de imagens são só alguns dos mais variados benefícios da tecnologia atual com a qual vivemos diariamente.

Entretanto, os smartphones estão sendo utilizados por uma população cada vez mais jovem, o que levanta a preocupação com a privacidade e segurança dessa nova geração de usuários. É responsabilidade dos pais permanecerem atentos para evitar uma super exposição de seus filhos a esse mundo cada vez mais conectado, mas nem sempre é possível estar alerta o tempo todo.

Para garantir o contato entre pais e filhos da melhor forma, a Sprint, uma operadora americana, desenvolveu um aparelho exclusivo para crianças. Diferente dos gadgets atuais ele parece um brinquedo, capaz de realizar ligações e enviar mensagens de texto. Simples porém fundamental para quem possui crianças e deseja manter contato o tempo todo.

O WeGo tem a aparência de um brinquedo com tudo que os pais sempre quiseram. As chamadas são limitadas apenas aos contatos que estejam cadastrados na memória e os apps na web são monitorados o tempo todo. Com isso, o aparelho tenta não expor a criança aos perigos que a maioria dos aparelhos atuais oferece à crianças nessa idade.

Outra grande vantagem do WeGo é o envio de uma mensagem aos pais, caso ele seja desligado, além de um “botão do pânico” que pode ser pressionado caso a criança se encontre em alguma situação de emergência.

Outra grande funcionalidade do aparelho é a localização por GPS que pode ficar ativada o tempo todo, o que auxilia os pais a saberem por onde seus filhos andam durante a rotina diária. O aparelho é comercializado apenas nos EUA.

Por lá ele custa 5 dólares por mês, durante 2 anos, mais 10 dólares por mês, que dão direito a 1000 minutos de conversação e 1000 mensagens de texto. Bem que a ideia poderia surgir por aqui também, já que cada vez mais crianças têm aderido à moda dos smartphones.

Por Ebenezer Carvalho


O navegador Safe Browser, desenvolvido para rodar no sistema operacional para celular Windows Phone, promete uma maior proteção para o smartphone contra possíveis golpes de phishing.

O app, criado pela Kaspersky Laboratory, já está disponível para download gratuitamente na Windows Phone Store. O golpe de phishing é realizado por criminosos que buscam informações de pessoas na internet, como dados bancários de usuários e senhas, que são fornecidas virtualmente pelo aplicativo. Automaticamente o Safe Browser bloqueia links de sites suspeitos, evitando que suas informações pessoais sejam roubadas por invasores. O programa recebe as informações sobre os sites maliciosos e atualiza sua base de dados. Dessa forma, é garantida a atualização do programa, que é em tempo real.

Com sua interface simples, o navegador possui um painel com diversas ferramentas, que podem ser ativadas e desativadas quando o usuário desejar. Na opção de controle parental, por exemplo, é possível restringir a categoria do conteúdo que está sendo acessado no celular, bloqueando o conteúdo inapropriado para crianças. Os pais podem bloquear sites de conteúdo adulto, de violência e aqueles que contêm informações sobre álcool e drogas. No caso dos demais aplicativos que estão instalados no smartphone, também é possível bloqueá-los. O navegador pode ser incorporado ao app Kid Corner, que é uma área de trabalho específica para o uso das crianças. Desse modo, elas só poderão acessar os aplicativos permitidos pelos pais.

O Safe Browser já foi classificado na loja virtual de aplicativos com quatro estrelas, que é considerado bom, de acordo com a opinião dos usuários que o utilizaram. O único idioma do navegador é o inglês e sua versão atual é a 1.0.0.30, atualizada no dia 6 de março deste ano. Alguns usuários afirmam que ele é melhor do que o navegador Windows Explorer, por ter carregamento rápido e ter uma interface bastante simples. O único defeito é que ele não possui proteção contra vírus no sistema.

Por Danilo Gonçalves


O Snapchat é um aplicativo para smartphones, tanto iOS quando Android, que busca a privacidade. Você cria uma conta com o seu número de celular, manda qualquer mensagem para os contatos e depois de 15 segundos após ser visualizada ela é removida e apagada para sempre. Em tempos de boatos de monitoramento do governo americano, a busca pelo aplicativo se tornou maior, tanto é que o Instagram fez uma espécie deste recurso dentro do aplicativo. Se tio Mark não conseguiu comprar o App, pelo menos implantou no Instagram, que recentemente foi adquirido pelo Facebook.

Mas nos últimos dias, um bug ou simplesmente falha de segurança, deixa os usuários de atenção. A falha já existia há algum tempo, mas só foi descoberta na véspera de ano novo. Basicamente, o Snapchat tem um recurso chamado: Buscar Amigos (para quem usa a versão em inglês, é Find Friends). Ela busca seus amigos através de sua agenda telefônica, dentro do seu smartphone. O que acontece é uma falha justamente nesse recurso. Você poderia chegar a descobrir o número de qualquer usuário do serviço e não apenas o da sua agenda telefônica.

Segundo informações, o pior ainda pode estar por vir. Os desenvolvedores do aplicativo não se deram conta da falha. E o pior, sabiam desde agosto que algo não cheirava bem, mas mesmo assim não deram bola. Mesmo com comunicados lançados no final de dezembro, não se sabe ainda quando uma correção para o aplicativo pode estar chegando. Ou seja, aquilo que talvez fosse confiável agora se torna dúvida de muita gente.

Mas nem todo aplicativo é confiável. Todos os apps têm falhas e se descobertas, podem colocar o usuário em risco. Em temos de NSA, todo mundo fica receoso com falhas e problemas de segurança e privacidade. Recentemente, alguns veículos de imprensa noticiaram que o iPhone poderia ser rastreado permanentemente, algo desmentido pela Apple.

Por Leandro de Souza

Snapchat

Foto: Divulgação


A fragilidade do sistema operacional Android têm deixado os usuários receosos, esse era um argumento que o Google dificilmente conseguia rebater quando colocado lado a lado com seu principal rival, o iOS da Apple.

Em resposta a isso, em sua nova versão que esta saindo do forno a 4.3 o Android tratá melhorias consistentes em relação a segurança. São 4 alterações nesse sentido,  a implementação de um complemento de segurança SELinux, melhoras na Criptografia dos dados, suporta a diferentes usuários isoladamente e compatibilidade para configurar redes a partir de protocolos WPA2 dando maior segurança quando o usuário utilizar Wi-Fi.

Essas novas configurações devem começar estar nos aparelhos dentro de no máximo 2 meses. Com isso a Google mostra que segue firme como líder no mercado de sistemas para aparelhos móveis, atendendo as necessidades de seus consumidores. A eficiência destas modificações ainda não pode ser testada por especialistas que aguardam ansiosamente para dar seu parecer técnico sobre as modificações.

O nome do sistema continuará sendo Jelly Bean, já utilizado desde a versão 4.1. As mudanças, segundo o que foi apresentado, dizem respeito mais ao funcionamento "interno" do sistema, visto que o usuário comum provavelmente perceberá poucas diferenças.

Por Bruno Hardt


Não é de hoje que as grandes empresas apostam suas fichas em segurança. Casos como o vazamento de senhas da Sony, em 2011 com o Playstation 3, ou com a recente falha na segurança do Twitter que divulgou uma lista de usuários e senhas, fazendo com que a empresa perca mais que usuários, despencando na credibilidade pública e empresarial.

Mas não são apenas os aparelhos de videogames ou grandes redes sociais que apostam nesta nova tendência. Os smartphones também são vítimas de fraudes e roubos, requerendo assim maior cuidado das empresas.

O Android, do gigante da web Google, foi o primeiro sistema operacional a implantar em suas funções uma checagem de segurança na ativação do aparelho. Com ele, é necessário ter uma conta no Gmail para veicular seu smartphone, poder bloqueá-lo à distância e acessar suas informações básicas. A possibilidade de colocar senhas em arquivos e aplicativos também é nativa no sistema operacional.

O Ubuntu, que recentemente anunciou sua ida ao mercado de telefonia móvel, já divulgou que seu sistema de segurança será dos melhores – e mais prático. Sem burocracia para defender suas informações.

Até o momento tudo que a Apple tinha era apenas um sistema de senha para acessar o smartphone, mas nada para defender os arquivos pessoais em nuvem, com o seu sistema iCloud. Mas isso mudou.

Esta semana a empresa ativou a verificação em dois simples passos aos usuários. A medida, no entanto, não é obrigatória. Está disponível no App Store o aplicativo chamado “Find My iPhone” que, após instalado, exibe um código de verificação que é necessário ser digitado no site antes que alguma informação do iCloud seja acessada ou alterada via um computador.

O erro, no entanto, está na demora da liberação do acesso: após digitar o código, a Apple pede três dias de espera para verificar sua conta, indo contra a função básica dos arquivos em nuvem: acessibilidade e praticidade aos arquivos em qualquer local.

Por enquanto a função está disponível apenas para os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Irlanda e Nova Zelândia. A Apple não informou se, ou quando, a medida será disponibilizada em outras regiões.

Por Diego Piovesan


A Samsung confirmou nesta quarta-feira, dia 19 de dezembro de 2012, que existem falhas em alguns modelos de seus smartphones.

Este problema está nos processadores Exynos 4210 e 4412 nos modelos Galaxy Note, Galaxy SIII, Galaxy Note SII e Galaxy SII que permite o acesso a todas as áreas dos aparelhos por pessoas maliciosas.

Fonte: Magazineluiza.com

 

De acordo com comunicado feito pela empresa será liberada em breve uma atualização de software para corrigir este erro identificado que somente pode ser utilizado a partir do uso de fontes não oficiais da empresa.

Por Ana Camila Neves Morais


Usuários do sistema Android e que possuem o aplicativo Skype devem tomar cuidado. Foi divulgado esta semana que o aplicativo possui falhas graves de segurança.

De acordo com pesquisadores, o aplicativo deixa muitas portas abertas para que criminosos mal intencionados possam acessar informações como nome do usuário, telefones de contato e até mesmo conversas realizadas pelo celular.

O próprio Skype admitiu as falhas e prometeu corrigi-las. Embora tenha afirmado isso, a empresa ainda não tem nenhuma previsão de quando será disponibilizado a solução para estes problemas.

De acordo com pesquisadores de segurança, o indicado é que os usuários excluam o aplicativo até que as correções sejam realizadas.

É importante ressaltar que o aplicativo Skype Mobile da operadora Verizon não foi afetado pelo problema.


Ninguém melhor que um hacker para passar informações importantes e seguras de como proteger seu celular inteligente de atualizações suspeitas, por exemplo.

Uma dica essencial é usar uma senha para bloquear o seu celular e fazendo com que o seu celular fique seguro de acesso de terceiros.

O dispositivo Bluetooth não é muito aconselhável, por manter sua os dados vulneráveis e acessíveis a todos, caso utilize prefira fazer ligações utilizando os fones de ouvidos. Todo link para efetuar downloads de novos aplicativos devem ser evitados, pois muitos são duvidosos.

Essas são algumas dicas iniciais para que você possa manter seus dados sigilosos.

Por Carla Caldeira


Os celulares e smartphones estão a cada dia mais populares, por isso, inúmeras variações de golpes envolvendo estes dispositivos estão ficando comuns. Além de vírus e clonagens de números, aplicativos mal-intencionados também podem trazer problemas.

Por isso, um anúncio vem chamando a atenção em sites de tecnologia. Nele, os usuários são informados que o aplicativo X-Ray Scanner permite mostrar as pessoas só de roupa íntima. Porém, ao instalá-lo, ele exibe imagens pré-definidas que nada tem a ver com a realidade. Para usá-lo, é necessário se cadastrar em um serviço que cobra R$0,31 por mensagem, para, em seguida, realizar o download.

Como o aplicativo não passa de uma farsa, vale a pena ficar ligado antes de assinar, pois seus créditos serão descontados.

Por Camila Porto de Camargo 

Fonte: IDGNow!


A Apple esta trabalhando duro para impedir o desbloqueio dos seus aparelhos. O último “vilão” que apareceu na rede, e foi provisoriamente vencido, é o JailBreakMe.  A empresa conseguiu impedir que o aplicativo funcionasse na versão 4.0.2 do IOS, porém a batalha ainda não está ganha.

A ferramenta Redsn0w, que foi produzida por hackers do Dev-Team, consegue burlar a segurança do aparelho e liberá-lo.

Na última semana a empresa lançou a versão iOS 4.0.2,  feita para reparar um erro no visualizador de arquivos pdf que abria uma porta para o JailBreakMe desbloquear  os acessos ao iPhone. Desse modo os usuários tinham um jeito rápido e cômodo de liberação do aparelho. Tudo isso serviu para a Apple observar a falha grave de segurança que o iPhone continha, pois crackers poderiam usar o mesmo caminho para invadi-lo.

O Redsn0w foi testado no iPhone 3G e iPod Touch e obteve sucesso.

Para maiores informações do aplicativo clique aqui.

Por Oscar Ariel


Desde 2009, quando dois homens colocaram uma bomba em um shopping de Dubai, os Emirados Árabes Unidos reforçam cada vez mais a segurança do país. Tais ações agora podem bloquear alguns itens do BlackBerry para  a localidade. A partir de 11 de outubro os EAU pretendem estabelecer o bloqueio de serviços como e-mail, mensagens instantâneas e acesso à rede internet pelo aparelho.

Depois da proibição de vários serviços no Golfo Pérsico, a RIM – Research in Motion – que fabrica o modelo, afirmou que está disposta a tirar a acessibilidade a sites pornográficos, e permitir que o governo tenha acesso a dados dos usuários.

Governos da Índia e Arábia Saudita, também pressionaram a RIM pela monitoração de informações de seus consumidores. Mesmo o BalckBerry tendo tornado-se popular como meio seguro de comunicação, há um certo temor de que o sistema seja usado por organizações militantes. O assunto proporcionará ainda muita discussão.  

Por Oscar Ariel


Quem é fã da série CSI já deve ter visto os peritos analisando um celular para localizar mensagens enviadas por um criminoso, ou descobrir para quem ele ligou. O que muitos não imaginam é que os peritos brasileiros de verdade contam com algo parecido para tentar solucionar os mais variados crimes.

Aliás, o programa usado pela polícia criminalística de São Paulo é o mesmo que é utilizado por órgãos federais americanos como o FBI. Através dele é possível destrinchar o conteúdo da memória de um celular, e até mesmo recuperar informações que já foram apagadas.

Isso também vale para um PC. Depois de apagados e excluídos da lixeira, os arquivos permanecem no disco rígido. Através do software a polícia consegue então localizá-los mesmo quando a exclusão aconteceu há meses.

Nos últimos dez anos o número de perícias digitais no estado de São Paulo aumentou quase 500 por cento. Os criminosos virtuais que se cuidem.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: G1





CONTINUE NAVEGANDO: