Pesquisa do IBGE revela que os brasileiros estão acessando mais a internet pelo celular do que através de computadores.

Somente no primeiro trimestre do ano de 2015, foram vendidos cerca de 15,1 milhões de celulares no Brasil, a expectativa era que o número subisse para 85 milhões. O celular hoje se tornou quase um item obrigatório na vida das pessoas das mais diversas faixas etárias. O aparelho inventado com a função de fazer ligações, hoje é capaz de resolver muitas questões do cotidiano da população como checar e-mails, pagamentos de contas, questões bancárias como conferir saldo, transferência e se informar das principais notícias.

A prova dessa soberania móvel é que segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados no dia seis de março deste ano, o celular ultrapassou o computador como principal meio de acesso a web no Brasil. Essa é a primeira vez que esse fato ocorre.

O número de casas com acesso à rede quase duplicou de 2013 para 2014, pois teve um aumento de 16,8 milhões em 2013 para 29,6 milhões em 2014. Outro fato que comprova esse aumento em 2014 é que a venda de celulares smartphones (aparelhos inteligentes que se configuram como verdadeiros computadores) no Brasil subiu 55%.

Outro ponto que pode explicar essa preferência brasileira de acessar a web pelos celulares é a quantidade de aplicativos disponíveis, em diferentes sistemas operacionais. O “app”, como é chamado popularmente, hoje é usado para os mais diferentes fins, como a comunicação, postagem de fotos, solicitar um táxi, contratar um serviço, ouvir música, entre outros tantos. Fato esse comprovado, quando se tem mais de 76,9 bilhões de aplicativos baixados em 2014.

Neste ano, só no mês de fevereiro, foram vendidos 258,1 milhões de aparelhos móveis no país, segundo a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o que mostra que existem 125,62 celulares para cada 100 brasileiros. Isso mostra a dependência que temos do aparelho nos dias atuais, pois ele nos oferece uma tecnologia rápida e muitas vezes gratuita, que algumas décadas passadas não poderiam sequer ser imaginadas. Hoje o celular é a principal forma de interação do indivíduo com os fatos da sociedade, pois ele está ali a minuto a minuto, ou melhor, segundo a segundo, para nos informar sobre qualquer assunto, em qualquer parte do mundo.

Por Isabela Castro


Recentemente foi divulgado uma pesquisa realizada em parceria conjunta entre as empresas IBOPE e Target Group Index (TGI). A pesquisa foi feita com o objetivo de conhecer alguns dos hábitos apresentados pela população brasileira em relação ao mundo real e ao mundo virtual.

De acordo com os dados levantados pelo estudo, a TV ainda continua sendo o meio de comunicação mais popular e de maior audiência no país.  Os números apresentados revelam uma parcela de 92% de usuários que preferem assistir por meio do aparelho convencional e não por meio do computador.

Segundo informações divulgadas pelo site eMarketer o relatório em questão revela que apenas 6% das pessoas fazem o uso de seus de dispositivos ( tablets, celulares e computadores) para assistir televisão via internet. Os números apresentados no Brasil são basicamente os mesmos apresentados em outras regiões da América Latina.

Um fator interessante de ser observado é que mesmo existindo a resistência para a migração de aparelhos que operam offline para dispositivos conectados o número de pessoas que preferem usar a TV e o celular ao mesmo tempo vem crescendo. De acordo com a pesquisa cerca de 32% de usuários tem esse hábito. Ou seja, assistem TV e usam seus dispositivos para acessar a internet simultaneamente.

Um ponto curioso apresentado pela pesquisa é que certos meios de comunicação considerados já ultrapassados aparecem na lista dos mais usados. Um exemplo é que 22% dos entrevistados disseram que lêem o jornal enquanto assiste TV e outros 18% que navegam na internet em dispositivos ouvindo rádio.

De qualquer forma existe a previsão de que a tendência apelidada de segunda tela cresça no país nos próximos anos. No mês de maio deste ano a Ericsson, havia publicado um estudo que mostrou que 59% dos usuários de internet de banda larga usam sim os aplicativos de seus celulares para fazer uma pesquisa em relação a algo que estão vendo na TV.

Em uma escala mundial a população brasileira fica apenas atrás da Irlanda e da China na questão do uso das duas telas. Isso não é de se estranhar quando levamos em consideração como a popularização de smartphones, tablets e afins ocorreu por aqui.

Por Denisson Soares

Foto: Divulgação


O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou recentemente dados que falam sobre o uso de telefones celulares pelos brasileiros. Segundo a pesquisa entre 2005 e 2011 foi possível notar um grande crescimento no uso desse tipo de aparelho.

Uma das informações mais relevantes para a pesquisa é que entre os anos da pesquisa, o uso do celular chegou a crescer até 107,2% e a utilização da internet chegou a crescer 143,8%.

Além dessas informações, a pesquisa obteve muitos dados bastante curiosos sobre o uso dessa tecnologia no país. No Nordeste, por exemplo, o crescimento foi maior que a média nacional e chegou aos 174,3%.

Outro fato interessante é que o público feminino ultrapassou pela primeira vez o número de homens no uso do celular. A taxa de mulheres que foram entrevistadas donas de celular é de 59,5%, já a de homens foi de 68,7%.

Esses números são muito importantes, pois provam que o Brasil é um país que está em constante desenvolvimento e crescimento. Já que uma tecnologia como essa, há 10 anos era considerada uma grande novidade e que poucos teriam acesso. Hoje em dia podemos ver que praticamente a maioria das pessoas possui e usa algum tipo de celular ou smartphone.

Por Henrique Nicolau


O uso dos smartphones no Brasil dobrou no último ano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística – IBOPE e pela Worldwide Independent Network of Market Research – WIN, ocorrida em 21 de novembro e 07 de dezembro de 2012. De acordo com o estudo, houve aumento de 9% para 18% na penetração desses aparelhos no país.

Apesar dos elevados índices, a média do Brasil está abaixo da média global, a qual correspondeu a 48% no ano de 2012. A pesquisa apontou também um aumento no uso de tablets, de 1% em 2011 para 5% em 2012.

Certamente, o aumento no uso dos smartphones e tablets está diretamente vinculado às facilidades para aquisição de tais aparelhos, que ficam cada dia mais acessíveis para todas as classes sociais, considerando ainda a grande variação de preços entre esta categoria.

Há ainda que considerar a preferência dos usuários pelos mesmos, já que oferecem muitas facilidades no uso, considerando que a população procura cada vez mais aparelhos que possam lhe atender em diversas finalidades, e não mais apenas um simples telefone produzido basicamente para realizar e receber chamadas.

Por Leni do Vale


A pirataria de produtos está presente em diversos setores da economia e segundo a empresa Strategy Analytics chegou com tudo no ramo de celulares.

Isto se justifica porque segundo pesquisa feita pela empresa até o final do ano cerca de 11,6 milhões de celulares piratas terão sido vendidos no Brasil correspondendo a 12,7% dos aparelhos móveis comercializados no país.

Por Ana Camila Neves Morais


A Pricez e Teleco divulgaram nesta última semana resultados de uma pesquisa que integra o “Prêmio Melhor Oferta – Natal 2012” que mostrou detalhes sobre o consumo com celulares no Brasil durante este ano.

De forma geral foi obtido um aumento de 8% em custos para serviços de alto consumo com celulares, alta de 12% para consumo médio e queda de 35% para baixo consumo com este tipo de aparelho.

Ao considerar as operadoras, durante os meses de abril e dezembro de 2012 a Vivo aumentou os valores de tarifas para ligações de longa distância enquanto a Oi ofereceu os menores preços para clientes com médio e alto consumo com até 50% de diferença para as outras empresas de telefonia.

A TIM ofereceu ofertas mais constantes e simples além de ter vantagens para ligações de longa distância e para chamadas com alta duração.

Já a Claro foi a líder para usuários com baixo consumo de serviços para celulares com pacotes que possibilitam ligações para outras operadoras.

Por Ana Camila Neves Morais


Tendo em vista o grande sucesso do sistema operacional do Google, o Android, a Apple realizou uma pesquisa para identificar o porquê da plataforma ter superado o iOS no mercado mundial.

Os documentos da pesquisa acabaram sendo revelados em uma das disputas judiciais entre a Apple e a Samsung. Conforme as informações da pesquisa, 25% das pessoas que possuem um Android chegaram a cogitar a compra de um iPhone, porém mudaram de ideia. Foi nesse grupo de pessoas que os pesquisadores mantiveram suas atenções.

Neste nicho de pessoas, a parcela de 48% decidiu pelo Android, porque queriam continuar com a operadora de telefonia em que estavam. Isso, porque a Apple possuía uma parceria exclusiva com a AT&T para a venda de seus iPhones nos Estados Unidos. Além disso, 36% ficaram com o Android por causa da marca Google, outros 27% foram influenciados pela Google Play (na época era Android Market) que era considerada melhor que a App Store. Por fim, outros 26% apontaram que preferiram ter um aparelho que permitisse a integração com os serviços do Google.

Após a pesquisa, uma das medidas que a Apple tomou foi a de cancelar as parcerias com as operadoras de telefonia móvel e aumentou as opções de aplicativos da App Store, o que já fez com que o marketshare do iPhone tenha aumentado.

Por Guilherme Marcon


Em uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira, dia 19 de julho, pelo Centro de Informação de Rede Internet da China (CNNIC), foi constatado que os chineses são os habitantes do planeta que mais acessam a internet por meio de telefones móveis. Este número supera a quantidade de pessoas que fazem uso da rede em computadores, considerado o marco do "boom dos smartphones", segundo consta o estudo.

As estatísticas mediram que, no país, o uso de celulares com internet aumentar em 22,2% em cima do ano de 2011, o que representa o número de 388 milhões de usuários. Os números de internautas que preferiram usar mais o computador para acessar à rede marcou apenas 380 milhões. De acordo com o CNNIC, esta é a primeira vez que este tipo de acesso passa na frente do uso de PCs.

O relatório também fala sobre o uso de internet em áreas rurais do país, uma característica específica do local. Dos novos usuários de internet pelo celular, 60% deles moram no campo. O país com bilhões de habitantes já tem mais de 538 milhões de pessoas conectadas, desde junho.

Por Tadeu Goulart


Segundo uma pesquisa realizada pela empresa ABI Research, nos Estados Unidos, os aparelhos híbridos denominados de phablets alcançarão a marca de 208 milhões de unidades vendidas até o ano de 2015.

Os phablets são uma junção de smartphone e tablet em um único aparelho, mas que possuem tela maior do que um smartphone e menor que um tablet.

O aparelho phablet mais famoso que temos como exemplo é o Galaxy Note, que foi lançado em 2011 pela fabricante sul-coreana Samsung, representando uma nova categoria de aparelhos.

A ABI Research revelou que, no começo, estes tipos de dispositivos tiveram um retorno pouco favorável no mercado, mas agora, mesmo assim, empresas como a HTC, Huawei e LG pretendem lançar produtos deste tipo ainda este ano, como forma de aquecer o setor.

Os phablets são definidos como dispositivos com tela touchscreen com tamanho entre 4,6 e 5,5 polegadas, sendo que o recente lançamento da Samsung, o Galaxy S III, enquadra-se nesta categoria por possuir uma tela de 4,8 polegadas.

O analista da ABI, Joshua Flood, afirma que cada vez mais pessoas utilizam os smartphones para realizar tarefas do dia a dia, como acessar a internet, ler artigos ou até mesmo visualizar rotas e mapas, e que isso irá favorecer o crescimento das vendas de phablets, tendo em vista que eles possuem telas maiores que as dos smartphones proporcionando assim uma experiência mais agradável para o usuário na execução de tais atividades.

Por Guilherme Marcon


Recentemente a Universidade de Stanford, nos EUA, divulgou o resultado de uma pesquisa realizada, cujo foco era os smartphones. A instituição desenvolveu um estudo que mostrou que os sites mal desenvolvidos, para as plataformas móveis, consomem muito mais a bateria do aparelho do que outros sites.

Todo o estudo foi desenvolvido tendo por base um smartphone com sistema operacional Android e o site que menos consumiu energia da bateria do aparelho foi o Gmail Mobile, sendo considerado o site mais “verde”. Enquanto isso, o site da Apple não teve um bom resultado, pois não possui uma versão otimizada para aparelhos portáteis.

Ainda, a pesquisa identificou que se as empresas se baseassem no design da Wikipedia, o consumo de energia das baterias seria reduzido em 30%, sem afetar a experiência dos usuários ao acessar um site.

Com esses resultados, a Universidade espera que os desenvolvedores se conscientizem na criação de versões otimizadas dos websites para as plataformas móveis, pois quando algum site consome muita energia da bateria do aparelho, isso pode ser motivo para a redução do tráfego na página.

Aproveitando a divulgação dos resultados, a instituição também disponibilizou algumas dicas para otimização dos sites para dispositivos móveis, como utilizar imagens JPG ao invés de GIF ou PNG e utilizar links ao invés de Javascript, o que acarretaria em uma menor energia de processamento e menor consumo da bateria do dispositivo.

Por Guilherme Marcon


A Motorola divulgou o resultado de um estudo feito sobre o hábito de consumo de vídeo em aparelhos móveis. No total foram ouvidos 9 mil consumidores em 16 países: Argentina, Austrália, Brasil, China, França e Alemanha estiveram entre os países que fizeram parte do estudo.

O resultado mostrou dados bem interessantes, de acordo com o estudo os brasileiros são os que mais utilizam TV móvel na América Latina, com um percentual de 34% dos entrevistados, na Argentina o percentual foi de 25% e no México, 19%.

Ainda de acordo com os dados coletados, o estudo revelou o peso que as redes sociais têm no hábito de assistir TV, e foi revelado que os brasileiros gastam em média 6 horas do seu dia em redes sociais e o mais engraçado disso é que, 43% das pessoas usam as redes sociais para recomendar um programa para outras pessoas e 76% costumam usar as redes sociais para comentar sobre determinadas atrações.

Já a pesquisa Barômetro de Engajamento de Mídia ouviu a opinião dos brasileiros sobre outra questão, a automação residencial. E de acordo com o estudo, para convencer os brasileiros a encararem a automação, será necessário popularizá-la antes, pois a grande preocupação é o pagamento de um alto valor por algo que não é tão comum.

Por Guilherme Marcon


A internet é uma das ferramentas mais utilizadas atualmente. No Brasil, de acordo com o último Balanço Huawei, o número de acessos à banda larga móvel simplesmente dobrou de 2010 para 2011, de 20,6 milhões de acessos por mês este número passou para 41,1 milhões no último ano.

Então, se você ainda reclama da sua internet lenta no celular, saiba que isso pode ser um dos motivos da lerdeza. Numa visão geral, a internet móvel continua cara e ainda tem muito espaço para crescimento.

Com o resultado do Balanço, é possível observar que os 41,1 milhões de acessos significam que a densidade é de 21 acessos para cada 100 habitantes. Porém, em fevereiro de 2012 este número pulou para 24,1 acessos para cada 100 habitantes, ou seja, 47,2 milhões de acessos por mês. A tendência é aumentar ainda mais este número de acessos por mês, a Teleco prevê que o número deve chegar a 124 milhões em 2014.

Em países desenvolvidos a média é de 56,5 acessos para cada 100 habitantes.

De acordo com os estudos, foi detectado que a maioria dos acessos móveis são feitos por smartphones, o que só comprova que o crescimento desse mercado tende a aumentar cada vez mais.

Por Guilherme Marcon


Se você anda com problemas para dormir leia esta matéria com bastante atenção. E desgrude um pouco do seu celular. Sim, é isso mesmo. Segundo um estudo realizado pela National Sleep Fundantion, nos EUA, o uso de dispositivos como TVs, computadores e celulares pode estar diretamente relacionado com a perda de sono. Para cerca de dois terços do americanos, essa é uma realidade.

Das pessoas que participaram do estudo, 95% fazem uso de algum dispositivo eletrônico como TVs, celulares e computadores pelo menos uma hora antes de ir para cama. Segundo os pesquisadores esse é um problema sério, pois isso aumenta o estado de alerta e estimula o cérebro.

A exposição à luz artificial das telas dos aparelhos suprime a liberação do hormônio responsável pelo sono: a melatonina. O problema atinge dois terços dos americanos, e serve de alerta para pessoas que vivem grudadas no seu celular não só por lá como no Brasil também.

Por Maximiliano da Rosa

 

Fonte: DailyTech


Uma pesquisa realizada pela consultoria CVA Solutions revelou que a atividade mais utilizada pelos consumidores brasileiros usuários de celulares é o recurso das mensagens de texto, com 87% de preferência no resultado.

Em segundo lugar ficou o recurso da fotografia, utilizado por 75% dos entrevistados. Já as ações menos utilizadas pelos usuários foram a internet e o e-mail, com 23% e 19% da preferência, respectivamente.

De acordo com o estudo, as marcas com melhor custo-benefício avaliadas pelos consumidores foram Nokia, Motorola, Sony-Ericsson, Samsung e HTC. Dentre estas destacou-se a Nokia, com grande poder de retenção em relação à troca de marca, além da grande capacidade de atrair novos usuários.

Por Elizabeth Preático

Fonte: R7


Ninguém duvida que os celulares já façam parte do cotidiano de bilhões de pessoas ao redor do mundo. No Brasil, o número de aparelhos per capta não para de crescer, pois já há quase um celular por habitante. Com um mercado aquecido, a nova aposta das empresas são os pagamentos móveis, também chamado de m-payment.

A empresa de consultoria Gartner realizou uma pesquisa global mostrando a penetração deste tipo de aparelho. Segundo a empresa, 108,6 milhões de pessoas devem usar o m-payment em 2010, uma alta de 54,5% em relação ao ano passado. Este número representa apenas 2,1% do total de usuários de celulares no mundo.

A Ásia e o Pacífico lideram o mercado de pagamentos móveis, com 62,8 milhões de usuários do sistema. Na América Latina, estima-se que haja 8 milhões de  usuários deste sistema de pagamento.

Por Camila Porto de Camargo

Fonte: Época Negócios


Enquanto muitos brasileiros fazem quase tudo pela internet, compram, vendem e pagam contas, quando o ambiente são os dispositivos móveis a maioria se diz desconfiada. É o que uma pesquisa realizada pelo Procon-SP revelou. 75,6% das pessoas entrevistadas pessoalmente disseram se sentir inseguras para realizar pagamentos via celular em sites de bancos ou compras online.

A pesquisa também foi feita via internet e, do total de respondentes, 66,2% dos internautas afirmaram ter um “pé atrás” quando usam o telefone. O fato de haver a transmissão de informações sigilosas e importantes por meio de um aparelho causa insegurança, segundo o Procon-SP. É provável que com o tempo esta ansiedade diminua, tal como foi com os pagamentos via internet. As empresas de telefonia contam com isso.

Por Camila Porto de Camargo

Fonte: Folha de São Paulo





CONTINUE NAVEGANDO: