Serviço é uma plataforma online que traz informações para a população sobre possíveis ocorrências de eventos meteorológicos.

O projeto – se é que podemos denominá-lo assim – envolveu uma parceria entre o Google Maps, Google Now, a página de buscas e o governo que juntos deverão trabalhar para fornecer informações, mais precisas possíveis, em relação a fenômenos meteorológicos que possam ser úteis para a população em geral ou que possam ocasionar algum tipo de risco.

A intenção é tornar mais prático o acesso a informações sobre quais regiões do país poderão enfrentar problemas com tempestades, geadas, alagamentos e tantos outras dificuldades impostas pela natureza.

A iniciativa em questão envolve também o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Ministério da Integração Nacional o que acabou resultando no que ficou “batizado” de Serviço de Avisos Públicos. Basicamente se trata de uma plataforma online que traz informações para a população sobre possíveis ocorrências de eventos meteorológicos como os apontados anteriormente.

Os órgãos envolvidos nessa parceria se comprometeram e ficaram responsáveis por enviar para o Google mensagens-alertas que irão posteriormente aparecer para os usuários dos serviços da companhia em algum dos três serviços que citamos no início desta matéria. Coisas do tipo declínio de temperatura, tempestades, inundações, alagamentos, baixa umidade e chuvas intensas serão repassadas aos usuários.

Recebendo as informações e mensagens provenientes dos órgãos do governo o Google irá processar os avisos e os deixará disponíveis para seus usuários. É interessante observar que os alertas sobre qualquer ocorrência irão ser exibidos considerando a localização do usuário, o tipo de consulta feita bem como a gravidade do ocorrido.

De acordo com o Google Brasil esse tipo de serviço permitirá ajudar a população a se preparar para situações que possam exigir cuidados uma vez que traz informações com base nos dados do INMET e do CENAD para as ferramentas que a empresa disponibiliza online. Para Helder Barbalho, ministro da Integração Nacional o serviço auxiliará até a salvar vidas.

Juntamente com o Brasil o Serviço Google de Avisos Públicos também será disponibilizado para outros 12 países. Entre eles a Indonésia, Canadá, Austrália e Japão.

O primeiro país a receber o serviço foi os Estados Unidos lá em 2012.

Para ter acesso a todos os alertas ativos no sistema você pode visitar a página de Avisos Públicos do Google – google.org/publicalerts?hl=pt-BR.

Por Denisson Soares

 

Avisos Públicos do Google


O cinema há muito tempo cria histórias futuristas com o uso de chips em pessoas que estão mais próximos da realidade, pois durante a Conferência do IEEE o professor John Rogers da Universidade de Illinois apresentou uma pesquisa que está desenvolvendo chips biológicos.

Estes dispositivos serão como eletrônicos epidérmicos que poderão ser usados como uma segunda pele auxiliando no diagnóstico e tratamento de diversos tipos de doenças humanas.

Para isso, estes chips será feitos de silício cortado em fatias com espessura nanométrica formando um emaranhado com bastante flexibilidade que pode ser colocado, por exemplo, em torno do coração como um “pericárdio eletrônico”.

Além da flexibilidade do silício nanométrico, estas novas estruturas terão um substrato de borracha para permitir seu estiramento em uma disposição como a de uma sanfona para a flexão.

Estes circuitos bio-eletrônicos poderão ser aplicados sobre a pele como tatuagens tendo cerca de 5 microns de espessura.

Por Ana Camila Neves Morais


Interação, esta palavra designa perfeitamente quais são as maiores perspectivas para esta década. Celulares com tecnologias Bluetooth e Wireless e televisores com saídas USB e recursos voltados à internet são alguns dos mais ilustrativos exemplos envoltos ao primeiro vocábulo deste artigo. As empresas, apostando nessa ideia, empregam milhares de reais, todos os anos, no desenvolvimento de aparelhos. O governo tem sua parcela nisso.

Nos últimos cinco anos (2005 a 2010), o volume de recursos repassados pelo governo da esfera federal ao desenvolvimento do sistema de TV digital no país excedeu R$ 76 milhões, dos quais R$ 46 milhões focados estritamente à criação de aplicativos interativos por meio do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel).

Aos que pensam em algo estritamente voltado ao entretenimento devem repensar. De acordo com o Ministério das Comunicações, o CPqD, uma das instituições pleiteadas pelo Funttel, está criando softwares que permitem aos brasileiros acessarem serviços de origem pública, tanto por televisores como por aparelhos celulares, tais como agendamento de consultas médicas e informações dispostas pela Previdência Social.

Por enquanto, ressalta Laerte Davi Cleto, diretor do Departamento de Indústria, Ciência e Tecnologia do Ministério das Comunicações, essas idealizações estão em fase de pesquisas com fins comerciais, podendo ser utilizadas por empresas ou órgãos públicos caso exista interesse.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Ministério das Comunicações


A telefonia móvel e fixa tem crescido vertiginosamente no Brasil. A quantidade de linhas de celulares ultrapassou, recentemente, o número de pessoas, indicando aos quatro ventos a disposição do país em consumir os serviços do setor. No dia 14 de dezembro, a Nextel arrematou 11 dos 13 lotes do leilão da Banda H, última faixa de frequência voltada estritamente à tecnologia 3G.

Para Sérgio Chaia, presidente da empresa no Brasil, a companhia deverá investir entre R$ 4,5 bilhões e R$ 5,5 bilhões no país na próxima meia década. Juntando-se essa pretensão aos lotes arrematados pela Nextel, a operadora prevê que duplicará seu potencial de desenvolvimento nas terras tupiniquins.

De acordo com a Folha UOL, a Nextel, além da já disposta telefonia via rádio, passará a oferecer internet banda larga e telefonia móveis. Chaia assegura que o plano de investimento já abrange o montante de R$ 1,2 bilhão a ser pago à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) – referente a licenças.

Embora o grande volume dos investimentos seja do próprio caixa da Nextel, a empresa deu início a sondagens sobre prováveis financiadores, entre eles o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Por Luiz Felipe T. Erdei


O mercado de celulares apresenta plena expansão no Brasil, pois vários são os brasileiros que possuem um ou mais aparelhos ofertados pelas mais distintas operadoras. Além de utilizar o sistema para conversação, a população faz uso de aplicativos e outros recursos correlatos, tais como envio de torpedos, download de músicas, entre outros.

O faturamento de gastos provenientes dos serviços de dados aumentou 54,5% no Brasil em 2010, dos anteriores R$ 1,8 bilhão no segundo trimestre de 2009 para os atualizados R$ 2,8 bilhões. Dados divulgados pelas consultorias Teleco e Acision por meio do Projeto Monitor revelam que mesmo com essa expansão o volume ainda é pusilânime.

Comparando o ambiente brasileiro a outras nações, o país apresenta-se bastante inferior nesse quesito. No Japão, por exemplo, o faturamento com serviços de dados representa 50% das receitas brutas contabilizadas pelas operadoras, enquanto por aqui somente 16,3%.

A internet móvel via celular, ainda pouco utilizada pelos consumidores tupiniquins segundo a Band Online, só não é mais evidente pelos preços elevados e pela falta de necessidade da população.

Por Luiz Felipe T. Erdei


O segmento da telefonia móvel no Brasil tem crescido vastamente nos últimos anos, tanto que quase todos os brasileiros, numa média geral, possuem aparelhos celulares, desde adolescentes a idosos. Opções não faltam à população, tanto no que diz respeito às modalidades pré e pós-paga até operadoras disponíveis, como é o caso da Vivo, Tim, Claro e Oi.

Na medida em que o número de linhas se estende pela nação, aumentam também as reclamações contra as empresas responsáveis por gerir seus sinais. Por isso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) dispôs um canal pelo qual a população pode contribuir à melhoria dos serviços, desde que o consumidor acesse um formulário online à Consulta Pública 27 – abarca também banda móvel.

No princípio desta semana a Anatel decidiu prorrogar para até dia 15 do próximo mês as opiniões a serem colhidas. Reportagem do Estadão acena que a CP nº 27 tem em um de seus textos aprovados o estabelecimento de metas de qualidade para o acesso móvel à rede mundial de computadores, não cerceado na regulamentação anterior, uma vez que o serviço na ocasião ainda não existia no Brasil.

O Comitê de Defesa dos Usuários de Serviços de Telecomunicações (CDUST) e a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor do Paraná (Procon-PR) foram os responsáveis pela solicitação e a estipulada prorrogação e publicada no Diário Oficial da União.

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: